Sunday, February 24, 2008

Crônica do dia

Olha eu aqui de novo:

Sentir falta X Sentir saudades

Sentir falta, ao contrário do que dizem por aí, é diferente, muitíssmo diferente, de sentir saudades.
Ah, sentir saudades... Sentir saudades é grandioso. Dor enorme que rasga por dentro dias seguidos, horas intermináveis, tempo infinito.
Sentir falta não. Sentir falta é pontual. Sentir falta é dor fina, dor de beliscão com unha, dor de anestesia de dentista. Sentir falta é mais específico. Sente-se falta do carinho antes de dormir, da implicância com o controle remoto, sente-se falta do jeito boboca que ele tinha de andar, se balançando todo. Sentir falta é mais egoísta, quase que material. Sentir falta do café dele, da bagunça dele, dos discos dele, do chinelo dele, sempre ali, jogado displicentemente na beira da cama. Sentir falta da camiseta velha dele que você podia usar... Ai que falta faz essa camiseta... Sentir falta é pequeno, mas não menos doloroso.
Ou não dói uma unha encravada? Ou não dói um bife que a manicure tira? Ah dói... e como.
Talvez até mais que a dor da saudade. A dor da saudade é grande. É infecção generalizada. É uma gripe daquelas, uma dengue hemorrágica, uma pneumonia.
A saudade não te deixa respirar. Não te permite trabalhar, te faz faltar o ar. É dor das grandes que te derruba de tal forma que, de repente, por mais que esteja sol, faz um frio de rachar na sua casa e você pode jurar que nunca - nunca - sairá de novo de dentro do seu edredon, porque suas forças acabaram ali, naquele instante, e não há mais nenhum fiapo de vontade, sequer para amarar um tênis. Isso é saudades. Saudades não é sempre de uma coisa específica. Pode até ser, mas normalmente saudades e plural. Saudades é dos dois. Saudades é de você mesma, com os olhos brilhando. Saudades do frio na barriga, saudades do começo, saudades da praia, saudades daquela festa ridícula, saudades dos foras que vocês davam juntos, dos preparativos para aquela viagem, saudades daquela viagem e da alegria de estar lá. Da expectativa de ir pra lá, da ansiedade, da enorme felicidade e graça, que só vocês conheceram... Saudades de coisas efêmeras, saudades de fumaça que não se pega, não se toca e, talvez, nem tenha acontecido de fato. Por isso, saudade pode ser inventada, falta não. Saudade é contínua, falta é curta. Saudade é pó, falta é pedra. Saudade é soco no estômago, falta é puxão de cabelo.
Falta é daquilo que não está ali, e que deveria estar. É a dor da cozinha intocada, da luz apagada, do controle remoto só seu. A falta está na rotina, nas pequenas coisas concretas do dia a dia. Ela é pontual, mas pode aparecer todos os dias. E todos os dias você sentirá a dor fina da picada de uma abelha quando notar, por exemplo, que o banheiro está arrumadíssimo e a pia ficou grande para os seus poucos perfumes. Lá está a dor da falta vindo de repente, tal qual um ladrão que te furta a bolsa...
Ela vem e, como uma unha encravada, não te impede de trabalhar, de viver, até de se divertir. Mas avisa que está lá, latejando dentro do sapato bonito.
Você pode até ter se curado das saudades, mas, talvez, um dia, quando o chuveiro queimar, você vai sentir uma falta enorme dele, e de todas as soluções simples que ele tinha para problemas tão complexos como esse...
Talvez uma se cure antes da outra, talvez nenhuma das duas tenha cura. Ambas, no entanto, te trazem a sensação da angústia. Ambas acontecem apenas quando o objeto da saudade ou da falta, parece estar ali, na beirada da sua vida. Ambas te fazem esticar o braço com força, com toda a sua força, o máximo que pode, para alcançar aquilo que já não está mais ali, que é sombra, é marca d`água de powerpoint, e é por isso que dói.
Talvez essas duas dores só sumam de fato, quando ele sair da beirada. Quando o desenhho do rosto dele não for mais tão nítido na sua memória, quando o som da voz dele não for mais tão claro em teus ouvidos. A saudade e a falta, de formas diferentes, com dores distintas, clamam por aquilo que mais se teme. A única solução possível é a mais temida, e serve para as duas: O esquecimento.

5 comments:

Mari Monici said...

às vezes, clarear a marca do rosto e buscar esquecimento mata a saudade...mas assim mata-se tudo que se tem, muitas vezes isso é tudo e o melhor que se tem. Assino embaixo pra saudade de amor, mas pra saudade de pai não... esforço-me pra lembrar e qunato mais doer mais perto ele fica. Agora falta, ai como faz falta também, poder ter a pia limpa, tantas vezes :) relativamente...sempre!
Arrepiei-me do começo ao fim....lindo texto.
Um beijo querida!

ultrasensitive said...

Dá um sentimendo absurdo de nostalgia de ler o texto...
no entanto, essa dor da cozinha intocada, da luz apagada e do controle remoto só seu, passa, e dá lugar a uma satisfação enorme de não ter que lavar a louça as 11 da noite, não ter que apagar a luz continuamente e saber que vai ver novela sem precisar tirar par ou ímpar. Passa, por um tempo, e dá lugar a talvez uma nova chance de viver tudo de novo - de forma igual, ou diferente (mesma pessoa ou nova pessoa, com outras manias
estranhamente adaptáveis).

A solução fica sempre por conta do tal esquecimento, que às vezes tarda... tem uma música que diz: "é só uma questão de tempo, eu sei, mas tempo leva TEMPO, e eu não consigo esperar..."
Só que sim, a gente SEMPRE consegue...
;)

Boa semana!
Beijo!

tarciso said...

uma reflexão bastante dolorida, espero que algum bandaid surja como linimento para a falta e a saudade tão belamente retratadas...

Carol Barcellos said...

Fiquei com um nó na garganta, me deu vontade de chorar, e simplesmente perdi as palavras. Sempre te digo que teu espaço transborda nostalgia, e SINTO FALTA disso. É um prazer vir e estar aqui...

Beijos doces cristalizados!!! :o*

I LOVE YOU said...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,ut聊天室,情色遊戲,情色a片,情色網