Sunday, March 30, 2008

As não-escolhas de cada um

A vida é feita de escolhas. Dizem. E deveria ser, hipoteticamente. No entanto, dia após dia, a vida se forma por caminhos novos ao quais, as vezes, sequer notamos, muito menos escolhemos.
A vida se forma, para alguns – talvez a maioria – de não escolhas.
As escolhas que não fazemos, a atitude que não tomamos, o telefonema que não atendemos.
A vida se faz do dia-adia, do acordar e dormir, de coisas práticas como contas a pagar, problemas a resolver e esse mar de burocracias e necessidades diárias é que são as nossas escolhas, às avessas, porque não nos damos conta.
Talvez por isso, nos transformamos em algo tão diferente do previsto. Talvez por isso, quando vemos estamos em um lugar não antes programado, nada planejado, talvez, nunca nem sonhado.
Há tanto a se fazer no dia-a-dia, que quem é que tem tempo de pensar em escolhas? Precisamos renovar a carteira de motorista, fazer comida, limpar atrás do armário, consertar a televisão, trocar de celular, pedir nota fiscal, dar banho no cachorro, precisamos sempre perder uns quilos, comprar um sapato ou parar de fumar...
E é assim que formamos a nossa vida. Não porque escolhemos ser analista de crédito mas porque, um dia, alguém te deu uma ficha pra preencher e você preencheu. Não porque escolheu ser isso, mas porque não escolheu ser outra coisa. Não escolhemos ser quem somos, simplesmente precisamos fazer alguma coisa e quando não entramos para o curso de teatro é que decidimos que talvez, sejamos analista de crédito, ou caixa de banco, ou vendedora de loja, ou qualquer coisa assim.
Entramos numa faculdade que escolhemos? Não. Entramos na que deu, naquilo que ia ser mais ou menos acessível, mais ou menos bom, viável.
Conheço tanta gente que queria ser atriz, cantora, astronauta, mas, ao invés de escolherem isso não escolheram nada e, por isso, viraram donas de loja, empresárias, psicólogas... Talvez de sucesso, inclusive. Muitas vezes as não escolhas foram boas, o acaso pode ter sido generoso, e mesmo que você não tenha remado o vento pode te levar para um lugar bom. Ou não. Ou acordamos um dia, provavelmente perto dos 30 ou dos 40 e notamos que enquanto esperávamos a vida começar, ela já andou, está quase na metade e, opa, quem foi que dirigiu esse filme? Ninguém. Não houve direção, roteiro nem coreográfa. Você viveu e não teve tempo de escolher. Essas não escolhas, todas, foram a sua escolha e você não viu.
Não acontece com todo mundo. Há os que escolhem e insistem. Fazem uma força danada, escolhem seu próprio destino, batalham por ele com afinco e, normalmente, se tornam admiráveis. Mas são poucos.
Normalmente, vivemos sem escolher. Não escolhemos tentar mil vezes fazer teste na globo, não escolhemos viver de teatro, não escolhemos mandar uma carta para a nasa, não escolhemos juntar dinheiro e ir para a França. Não escolhemos o que queríamos e, dessas não-escolhas, é que se forma a nossa vida, boa ou má, pacata ou movimentada, não importa.
As suas escolhas são as suas não escolhas, e seus dias não serão ditados pelo que você sempre quis, pelos seus maiores sonhos ou anseios. A sua vida será ditada pelas coisas que deixou de fazer, pela preguiça de ir na academina, pela comodidade da sua cidadezinha, ou pela delícia que é pipoca-tv e namorado, mesmo que ele, também não seja lá essas coisas mas foi, afinal de contas, quem cruzou o seu caminho bem naquele dia, bem naquela chuva, bem numa sexta-feira....

4 comments:

Mariana said...

Põe sintonia nisso....acredita que hoje, meu primeiro dia de trabalho, pensei em não-escolhas o tempo todo?! E so pensava: juro que o primeiro dinheiro é pra ir para a França...rsrs Sem contar querida, que alem de estarmos pensando juntas, sonhamos juntas e ainda ontem achei algo divino, que veio de vc e logo vou te mandar.
Um beijo enorme

Carol Barcellos said...

Realmente, Ana, vc tem toda razão. Quando li, até fiquei morrendo de medo de pensar em oportunidades que se pode perder não escolhendo certas coisas. Como deve ser triste a vida dos comodistas, porque estes são os reis das não-escolhas. E fazendo isso com exagero, conseguem apenas uma vida exageradamente tediosa.
Beijinhos doces cristalizados!!!

P.S. Tem presentinho pra vc lá em casa...

Taty said...

Oi, moça. Percebo q cheguei num momento em q vc não tem atualizado seu blog. Mas, mesmo assim, faço total questão de deixar meu comentário elogiando e contando - na verdade, resumindo - como foi importante encontrar um blog assim num dia tão complicado como foi hj. Seu blog me fez pensar e amadurecer ainda mais, gostei dele muito, muito mesmo. Queria pedir sua autorização para linká-lo no meu e te parabenizar por belíssimo espaço.
Um beijo!!

Juli said...

e nos continuamos firmes e fortes.
e me da uma saudade de vez em quando...!